domingo, 26 de setembro de 2010


“Por que ta tão distraída?”
“Nada.”
“Você ta com medo.”
“Medo de quê?”
“Medo da gente.”
“Não existe “a gente”.”
“É disso que você ta com medo.”
“DE QUÊ?!”
“Você sabe que já existe “a gente”, por isso ta com medo.”
“Eu já me relacionei com outras pessoas, se você não sabe.”
“Mas eu sou diferente.”
“Você se acha muito especial…”
“Por que eu sei que sou, ao menos pra você.”
“Eu não costumo me apaixonar.”
“Eu não to pedindo pra você se apaixonar.”
“Nem se você pedisse.”
“Mas eu não preciso pedir.”
“Para de querer me decifrar.”
“E de novo o teu medo… Por que eu sei te decifrar.”
“Esse é teu problema, sabia? Você acha que sabe muito de mim.”
“Você consegue ser muito óbvia ás vezes.”
“Ás vezes.”
“Muitas vezes.”
“Muitas vezes não.”
“Sim, se levar em conta o tempo que estamos…”
“Juntos?”
“Eu não ia falar isso.”
“Eu já te disse pra não me cobrar isso.”
“Eu não to cobrando.”
“Mas parece.”
“Será que você pode pelo menos me dizer uma vez algo bom?”
“Tipo “eu te amo”?”
“Talvez.”
“Não estaria sendo sincera e não quero mentir pra você, já que você odeia mentiras.”
“Mas eu adoraria ouvir essa mentira.”
“Você ta muito carente de amor.”
“É por que eu fui me apaixonar por uma pessoa indiferente a ele.”

FIM