sexta-feira, 3 de setembro de 2010


Quer saber o que eu acho? 
Eu acho que ele tem medo de que venha, venha alguém e arranque-o da sua vidinha monótona, comece a balbuciar suas opiniões, descontrolar suas noites calmas, tirá-lo da cama, colocá-lo para dormir. Tem medo de que o invadas, reparta seu cotidiano, seu cronograma, bagunce sua vida. Tem medo de que ao meio dessa confusão-exaustante-amorosa, ele encontre algo bom. Encontre aquela coisa que ele perdeu faz tempo na vida. Aquela vontade grande de ser feliz. Ele tem medo de que ao decorrer disso tudo, se entregue. Se entregue em carne e espírito e perca todo aquele orgulho que foi construído pra ninguém derrubar. É bem preferível bater no peito até machucar-se dizendo que é feliz, com seu eu orgulhoso e hipócrita. Do que se entregar, entregar essa coisa nova que você ainda não está pronto pra usar. Porque quando estiver, aí amigo, aí você vai entrar num beco sem saída. Quando você começar a usar esse sentimento-amor que as pessoas se entregar, que entregam o coração. Quando você entregar o seu, sua vida vai ser pior do que essa solidão imensa aí. Mas você vai gostar, querido, pior que vai.