quinta-feira, 14 de abril de 2011


Sempre caminhei sozinha, quando cheguei a olhar para trás via somente duas pegadas. Pode até parecer solitário, triste, mas muito pelo contrário, era sossegado, tranqüilo, sem preocupações e desilusões. Sempre me achei auto suficiente, eu me bastava, não precisava de ninguém pra que eu me sentisse completa. Mas aí apareceu você. Feito vendaval, que vai levando tudo que vê pela frente. Você levou minhas concepções velhas, tudo aquilo que eu acreditava embora. Me transformou, foi me tirando os espaços entre tantos abraços, foi me moldando, me modificando, para que eu ficasse assim, o melhor pra você, o melhor pra nós. Me fez dependente, logo eu, livre, solta. Me deixou presa em você, assim sem amarras, sem receios, sem medo. Me esqueci daquilo que eu era pra me transformar no que te faz bem, no que te deixa feliz. Resolvi que você seria meu motivo. Meu motivo para continuar, para viver, meu objetivo de vida, de escolhas. Resolvi que você seria minha base, meu alicerce, que mesmo eu sendo tão independente, tão egoista e cheia de mim, mudaria, mudaria pra te ver sorrir, pra te ver feliz. Deixaria meu orgulho de lado pra ir atrás de você quantas vezes fosse preciso. Porque eu te amo. Porque não tem nada que eu queira mais do que o teu perfume se transformando no ar que eu preciso todos os dias, porque eu preciso de você, aqui, como sempre foi.