segunda-feira, 30 de janeiro de 2012


Mas já não me importo com o que pensa, opinião alheia é este tapete, este lustre, aquele retrato. Mas antes eu me importava e como. Por causa dessa opinião tenho hoje um piano de cauda, tenho um gato siamês com uma argola na orelha, tenho uma chácara com piscina e nos banheiro, papel higiênico com florinhas douradas que o velho trouxe de Nova York junto com o estojo plástico que toca uma musiquinha enquanto a gente vai desenrolando o papel . Tenho sapato com fivela de diamante e um aquário com uma floresta de coral no fundo. Trocaria o diamante, o sapato de fivela, o iate- trocaria tudo, anéis e dedos, para poder ouvir um pouco que fosse a música do saxofone. Nem seria preciso vê-lo, juro que nem pediria tanto, eu me contentaria em saber que ele estava vivo em algum lugar, tocando seu saxofone.


Lygia Fagundes Telles


p.s. não tenho diamante, nem sapato de fivela, nem iate, nem anéis, mas trocaria tudo o que tenho, até minha própria vida, se em troca eu soubesse que ele está vivo...
tocando seu saxofone.
Saudade é o pior tormento.