sexta-feira, 13 de junho de 2014


“De vez em quando erguia os olhos e sorria para mim. Achei estranho porque nunca ninguém sorriu para mim - nunca ninguém sorriu para mim daquele jeito, quero dizer.”

— Caio Fernando Abreu