quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015




Não chorei, não gritei, não fiquei chateado, não bati pé. 
Pra que fazer tanto barulho? Que vá, nunca me pertenceu.
— Caio Augusto Leite