segunda-feira, 25 de maio de 2015


Mas é isso mesmo, não tem muita explicação, nem muita enrolação. É só um vazio, agudo, presente. Basicamente, e infelizmente, é isso. Sem muitos porquês e sem desculpas, qualquer outra coisa é mentira. Qualquer tentativa é falha, e toda falha é só mais uma para somar. A ausência do “sentir” incomoda, fadiga. Essa coisa de apenas existir e não viver só vai se tornando minha rotina. A desistência parasse tentadora, saborosa, algo fácil. Não pertenço a nenhum lugar e a todos ao mesmo tempo, quero tudo e nada, quero ir e ficar, quero ser e permanecer. Passo o dia todo com sono,mas quando estou em minha cama, não consigo dormir. Pensar machuca, lembrar tortura e mesmo assim, ainda insisto.

Rua Outono