sexta-feira, 26 de junho de 2015


“Perdemos mais tempo arrumando desculpas do que vivendo. Perdemos mais tempo adiando do que aceitando a dificuldade. Perdemos mais tempo explicando a desistência do que enfrentando o sim. Eu garanto que a fuga dá mais trabalho do que se encontrar. Porque estaremos longe, mas com saudade. Porque estaremos protegidos, mas vazios. Porque estaremos aliviados, mas entediados. A vida é simples, milagrosamente simples. A esperança é firmeza. Consiste em seguir adiante mesmo com pânico, mesmo com receio. Não há como acalmar o coração senão vivendo. Parece que nunca conseguiremos fazer, mas vamos fazer, acredite, toda a vida foi feita de sustos bons. Somente tememos o que é importante. Somente temos dúvidas do que é essencial. Somente entramos em crise por enxergar com clareza a dimensão de nossa escolha. Os riscos valorizam a recompensa. Viver não é para solitários. Sempre tem alguém nos chamando para nos acompanhar no perigo… O impossível é apenas o sobrenome do medo. Você acha que somos impossíveis, mas é do impossível que o amor gosta. O impossível é inesquecível. O impossível é o possível repartido. O impossível é o possível a dois.”

Fabrício Carpinejar.