sexta-feira, 3 de julho de 2015


“Eu sou o que sobrou daquilo que não existe mais.”

Bárbara Matoso