terça-feira, 25 de agosto de 2015


“Eu costumo afastar as pessoas, falar alguma coisa ou até mesmo agir como se eu não me importasse. Mas infelizmente eu me importo, e por isso me afasto. Por medo, medo de que me magoem, e acredite sempre me magoam. Eu prefiro ao vazio do que sentir essa dor de novo, e de novo. Mas as vezes até o vazio se torna dolorido. Tenho medo do que pode acontecer no futuro e acabo me perdendo entre o passado. Tenho medo de fazer as escolhas erradas e o meu presente se tornar insuportável. Medos, é isso que me impede de ser feliz.”

O Diário de Sofi.