sexta-feira, 29 de março de 2013


É muito fácil amar quando esta sol, quando o dia esta bonito, quando as coisas são perfeitas, quando tudo se encaixa, quando o mundo gira a favor, quando todos colaboram, quando famílias se aceitam, quando tem comida, quando tem saúde, quando a beleza ainda lhe pertence, quando a juventude é farta, quando se tem dinheiro, quando se tem tranqüilidade. Difícil é amar nos dias chuvosos, tempestuosos, quando a raiva consome, quando a desonestidade aparece, quando famílias se odeiam, quando não se tem o que comer, quando não se tem onde morar, quando os problemas invadem, quando os sacrifícios precisam ser feitos, quando os atos de coragem estão na iminência de acontecer, quando o mundo gira ao contrario, quando nada esta ao seu favor, quando nada é perfeito, quando nada se encaixa, quando ninguém colabora, quando velhice chega, quando as doenças aparecem, quando a juventude se vai, quando o caos invade. Difícil é amar quando nada da certo, e ainda sim querer concertar. Difícil é permanecer ali sempre apesar de todos os problemas. Difícil é encontrar alguém que haja exatamente da forma que se diz sentir.

— O inferno tem seus vários lados 





sábado, 23 de março de 2013

quarta-feira, 20 de março de 2013


"Acho que é isso que falta na vida da gente: mais palavras bonitas e menos cara feia. Mais olhares sinceros e menos grosseria. Mais sorrisos cúmplices e menos palavras duras. Mais educação e menos pressa. Mais respeito e menos julgamento. Mais humanidade e menos falta de respeito. Mais doação e menos egoísmo. Mais mãos dadas e menos individualidade."

— Clarissa Corrêa.


Aí ele retruca “não adianta, eu não tenho futuro”. Ninguém tem, camarada. Essa é grande diferença, estamos todos presos no presente, para sempre. O negócio é saber lidar. Após a morte vai ficar um pouco difícil realizar algo, mas não é uma questão de tempo, mas de uma regra local: dizem que na Eternidade não nos deixam retocar a maquiagem e nem trocar de roupa. Não se apresse, e escolha bem o que você vai vestir.

 Gabito Nunes







Meu problema é sentir demais, querer demais, amar demais. Tô cansado de receber um grande bloco de nada da pessoa que pensava ser meu tudo.

 Sepultar





terça-feira, 19 de março de 2013


A gente confia demais. Erra demais. Acredita demais. Quebra a cara. Aprende. E depois, faz tudo de novo, porque acha que vai ser diferente.





sábado, 16 de março de 2013


É o seguinte, eu sou assim, uma tragédia, catástrofe, indecisa, bagunça, um pote de drama. Desculpa por tudo, desculpa por ser assim, e por não poder mudar. Eu não vou mudar, e espero que entenda isso. Espero que no final de tudo, você seja a pessoa que vai dizer: Poxa, ela vale a pena.















O amor não é uma desculpa. Você não pode justificar o ciúme com o amor. Sinto ciúme de você porque te amo demais. Eu já disse isso, mas hoje vejo diferente. Se eu amo demais, o problema é meu. Dizer que ama e quantificar o amor só serve para quem sente. Se eu tenho o maior amor do mundo, o mais puro e o que mais me faz feliz o problema é exclusivamente meu. Sabe por quê? Não importa o amor que eu sinto, não para o outro. Para o outro importa como eu demonstro, me comporto e vivo esse amor. O que adianta eu dizer que o meu amor é o mais puro de todos se eu não mostro isso? O amor não é uma palavra bonita. O maior problema do mundo, hoje, é esse. As pessoas acham que falar basta. Não, falar não basta. O amor não tem que ser dito, ele precisa ser sentido, senão ele não sobrevive.

 Clarissa Corrêa.






E eu, no fundo, te perdoava, te entendia, te amava cada vez mais. Você me mandou embora da sua casa, do seu carro, da sua vida, da memória do seu computador, do celular e do coração. Você me deletou. E eu fiquei quietinha, te esperando, rezando pra você ver que amor maior não tem. 

Tati Bernardi.






 Não sei receber elogios, fico sem saber o que fazer, me atrapalho e acabo trocando de assunto, quando não troco as pernas e tropeço em algum canto de mim. 
Sorrio para disfarçar desconfortos. 

 Clarissa Corrêa  





sexta-feira, 15 de março de 2013


Era pra ter sido muito diferente. Mas não foi. E a gente tem que se acostumar, se habituar, se moldar ao que acontece na verdade. 
Tem uma diferença grande entre o sonho e o mundo real.

Clarissa Corrêa.






Você não me amava, apenas gostava da minha presença quando todos te deixavam. Você não me amava, apenas gostava de ver que alguém realmente se importava com o seu bem-estar. Apenas gostava do modo que eu te tratava; como ninguém nunca te tratou. Você não me amava, apenas me pedia para ficar, pra não perder aquela pessoa que não se importava em se entristecer pra te ver sorrir. Você não me amava, apenas se sentia importante quando via que, um dia sem você, era muito tempo pra mim. E eu? Eu te amo, desde o ínicio. Eu te amo, mesmo que doa. Eu te amo, mesmo sentindo tudo sozinho. Eu te amo, mesmo que hoje você diga que nunca quis me iludir.






quarta-feira, 13 de março de 2013


Quem sabe eu me acerto por aqui e você por aí, e a gente se encontra só pra dizer que tá tudo bem, que foi legal, e que deseja sorte.

Soulstripper.







Me conta de você, por onde andou, quem amou, quem esqueceu, quem você espera. Me conta mais da sua vida, quem sabe eu encontro um cantinho pra ficar. Quem sabe sou eu quem falta nesse teu coração. Me conta tudo, tenho tempo.

 Caio Augusto Leite.







A escolha de partir foi sua. A minha foi a que restou, te ver partir e observar o seu jeito atrapalhado de caminhar em rumo a sua felicidade. Que antes, poderia ter sido a minha, a sua, a nossa… 

 Nicholas Sparks.







Chorei, chorei, até ficar com dó de mim.

— Chico Buarque.







O problema é esse, Romeu. Você sempre volta. Sempre volta a hora que você quer. Se hoje você tiver a companhia de alguma dessas suas… Loiras? Morenas? Ruivas? Do cabelo até a cintura com vestidos de um palmo, você não volta. Mas se você estiver de ressaca, com uma compressa de gelo na cabeça e não há nada de bom passando na TV, você me liga. E, então, você volta.

Capitule, em trecho de Anna e Romeu.







Antes de se sacrificar por alguém, pense nisso: Será que ele faria a mesma coisa por você? 

O Caçador de Pipas






segunda-feira, 11 de março de 2013






eu só aceito a condição de ter você só pra mim, eu sei, não é assim, 
mas deixa eu fingir e rir. ♪








Eu vivo dizendo por aí que preciso de alguém. Alguém que me entenda, que não me julgue e que esteja ao meu lado durante as piores crises e os mais escandalosos choros. Mas eu sou egoísta. Quando existe a mísera oportunidade de me aproximar de alguém, mesmo que singelamente, eu fujo. E fujo porque tenho medo de não ser suficiente. Eu tenho medo de desapontar, de estragar, de exagerar, de fazer tudo da forma mais errada possível. Mas, principalmente, eu tenho medo que esse alguém entenda o motivo de meus olhos serem tristes, que descubra os monstros existentes na minha mente e saiba que meus piores pesadelos acontecem quando estou acordada.




domingo, 10 de março de 2013


E eu acho que amor é mais do que apenas segurar as mãos…
Eu gosto das pessoas que param para escutar. Que gostam de abraços, que conseguem amar. Gosto de pessoas que riem de modo estranho, choram escondidas. Gosto de pessoas que não se escondem atrás de máscaras, pessoas que são fortes, pessoas que sempre seguem em frente. Gosto de pessoas que gostam de pessoas. Gosto de pessoas que sabem o motivo de uma lágrima, que estão sempre por perto. Gosto de pessoas que nunca se vão, de pessoas que ficam, que tentam, que conseguem. Gosto de pessoas assim… 
Como elas são.

Tati Bernardi.






Meu coração é meio bobo. Me chame de princesa, que eu derreto. Me chame de pequena, que eu me apaixono. Me chama de querida, que eu adoro. Me chama de anjo, que eu cuidarei de você como um. Me chama de doce, e adoçarei a sua vida. Me chame de amor, e eu vou te amar. Me chame de linda, que eu tentarei fazer da sua vida mais bonita. Me chama de sua Julieta, e você será meu Romeu. Me chama de bebê, e eu deixarei que você cuide de mim. Mas me chame de minha, e eu serei somente sua.

Tati Bernardi.







A gente acaba mesmo numa esquina qualquer, lembrando de alguém que um dia chegou e depois foi embora.

 Tati Bernardi. 






Eu quero dividir minha cama com você. Não é muito grande, então deixa a gente bem juntinho. Quero dividir meu lençol com você, e enroscar seus pés com os meus. Quero troca de beijos durante a noite. Quero ouvir seus cochichos, sua respiração. Se eu tiver um pesadelo, que você esteja do meu lado pra me acalmar. Quero abraços, carinho… Um noite tranquila. Uma noite que não acabe nunca. Uma noite só nossa.

Cabana dos Sonhos. 







sábado, 9 de março de 2013


Olha devagar para cada coisa. Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu. Em cascalhos disformes, estranhos diamantes sobrevivem solitários.





sexta-feira, 1 de março de 2013


Pois, diante desse imenso ponto de interrogação que é o futuro de todos nós, reformulei minhas crenças: estou me dando o direito de não pensar tanto, de me cobrar menos ainda, e deixar para compreender depois. Desisti de atracar o barco e resolvi aproveitar a paisagem.

Martha Medeiros.