quinta-feira, 17 de agosto de 2017





“Finalmente criei coragem e arrumei meu coração. Confesso que no início fiquei atordoada com tamanha bagunça, mas com o tempo entendi a lógica de tudo e com isso acabei por me encontrar, estava debaixo debaixo de tristezas, de todos os tipos. Ajudei a me levantar e pedi ajuda pra arrumar aquilo tudo. Meu eu concordou e limpamos tudinho. Agora que tá tudo arrumado, espero que novos hóspedes, apareçam e fiquem.”

Limpeza de alma





sexta-feira, 11 de agosto de 2017


“Mas cara, amor não se perde, muito menos se implora. Amor nunca acaba, sempre tem.”

Suavizou







“Acho que me apaixonei, não pela sua voz, ou pelo seu carinho, ou até mesmo pela cor dos seus olhos, ou quando sorri sem jeito. Acho que me apaixonei pelo seu abraço, aquele bastante apertado, que as vezes me deixa sem ar, me apaixonei pelo seu boa noite, e até pelo seu bom dia. Ah! Quase ia esquecendo, me apaixonei por você naquele dia chuvoso, em que te abracei e coloquei minhas mãos embaixo da tua camisa enquanto você me apertava entre teus braços a fim de me esquentar. Me apaixonei pelo teus lábios nos meus e como você me deixa sempre querendo mais um pedaço de você.”

O Diário de Sofi.




quinta-feira, 10 de agosto de 2017




"Eu me jogo no chão de tanta dor. Lembrando como era lindo dividir nossas músicas que sempre viravam hits para nossas impossibilidades. E como era lindo iluminar o escuro dos esconderijos com os seus olhos. E então te amo de novo, infinitamente, quase sem ar. E depois isso passa. Depois te esqueço. Como já esqueci tantas vezes. E você não é mais ninguém como de fato já não é há muito tempo. Mas preciso de mais. E então me recordo mais uma vez dele e seu sorriso congelado. Nenhuma pedra minha sequer arranhou sua pintura perfeita. A imagem é sempre dele indo embora com a roupa cheirosa, o topete impecável, os dentes fortes e a vida ajeitada. E de eu ficando pra trás rasgada, suja, cuspindo sangue e sentindo uma falta absurda de alguns motivos para viver que ele roubou para se abastecer." 

Tati Bernardi.



quarta-feira, 9 de agosto de 2017




“Eu sou feita de pedaços mínimos, milimetricamente espalhados. Não se juntam : desfalecem, despedaçam. Eu sou feita da minha rotina incansável de rimas em cantos de cadernos, esse é o meu fazer poético. Eu guardo palavras só pra mim, eu abrigo um céu estrelado no peito, uma nota dó nos lábios, sol nas curvas da minha mão. Eu integro as minhas ideologias a realidades impossíveis, entrego as minhas ideias ao acaso. Eu sou feita da luz que entra pela minha janela ao cair da tarde seca, em parte, sou composta pela aurora, vento e viro tempestade. Eu numerei os fins possíveis, impossíveis, os que eu quero que você conheça e guardei tudo na minha caixinha verde. Meu amor, o fim rima com tanta coisa bonita. Eu tenho partes do outono nos fios do meu cabelo e só subscrevo minhas certezas sobre ti quando me encontro entre os dois extremos mais lindos desse mundo todo: a sua insistência pela eternidade e seus olhos frios, não mais pura e crua ilusão. Eu vivo o cheiro de poesia, café e terra molhada. Eu sou aqui o que já não fui lá. E mudo, inconstante, os meus olhos que avistam o universo. Ninguém compreende a minha falta de jeito, você acha graça. Ninguém entende as minhas felicidades pequenas e frágeis que não exigem muito além de você ficar feliz com elas também. Quando eu te recitar Pessoa, espero muito que conheça seus outros eus e abrigue a sua metamorfose também. Faz bem aceitar a vida, guardar as memórias de dias de inverno, sentir a pele queimando o sol que hoje saiu. Quando eu te conto meus pequenos causos, não mais segredos, eu deposito minha imaginação ali, no teu toque. As minhas ideias mirabolantes de conquistar a lua na tua essência. Se eu te dou minhas papavras, espero que você aceite também a catástrofe que vive nelas. Como uma epifania : parte de mim agora, desde sempre. Um ser-estar bonito, perfeito encaixe aos teus feitos. É bom saber que você existe em mim. E que à parte das nossas maluquices, você tem o poder de destruir meus muros e medos e que você talvez seja a única pessoa que consegue me acalmar o corpo, me tirar da próxima queda e me trazer de volta à essa organização sem jeito que o mundo é. Eu sou feita desses pedaços todos, meu amor, e espero sempre que você possa juntar todo pequeno e desequilibrado detalhe deles.”

Arcádico







“Contei ao meu psicólogo que o problema era todo uma questão de sentimentos e exageros. E que se fosse possível ouvir minhas canetas e papéis, possivelmente ele teria que prescrever algum remédio emocional para eles também. Eu era um fora da casa. Literalmente um problema com pernas. Ele riu.”

Ciceero M.





“Sempre existe no mundo uma pessoa que espera a outra, seja no meio do deserto, seja no meio das grandes cidades. E quando estas pessoas se cruzam, e seus olhos se encontram, todo o passado e todo o futuro perdem qualquer importância, e só existe aquele momento.”

Paulo Coelho






“É tão bonito ter você, tão bonito amar você. Que se for preciso eu dobro de tamanho o meu coração, só para ter um pouquinho mais de você dentro de mim.”

Plenitude.








“Meu bem  
Mas que mal tem, 
Eu você e mais ninguém?” 







“Eu quero crescer. Juro, quero mesmo. Quero aprender línguas que não sei. Quero conhecer novas culturas, povos, lugares. Quero me desapegar do velho. Quero não me fechar para as mudanças e para o novo. Quero não acumular rancores nem alimentar mágoas. Quero aprender a me pedir desculpa. Quero abandonar algumas saudades. Quero aprender a conviver com o que não posso modificar. Quero me mover mais e mais e mudar o que está ao meu alcance. Quero pouco e quero muito. Quero nada e quero tudo. Quero esquecer o que precisa ser esquecido. Quero nunca deixar de sorrir. Quero aprender a descascar laranja. Quero perder o medo de trovão. Quero ir. E vir. Mas nunca, nunca mesmo, deixar de sentir.”

Clarissa Corrêa







I sing this song 'cause you 
Make me feel brand new




quarta-feira, 12 de julho de 2017





Foi preciso acontecer quase todas as merdas possíveis, pra que eu conseguisse prestar atenção em você! 









"Sim, ela sabia muito bem que amar é dizer tudo um ao outro; mas Jaromil precisava compreendê-la: ela tinha medo, simplesmente tinha medo…"

Milan Kundera, in ‘A vida está em outro lugar’






terça-feira, 13 de junho de 2017





Queria te dizer coisas simples e bonitas, coisas que te mostrassem o quanto você continua importante, o quanto te guardo com carinho em muito de meus dias, coisas desse tipo, que talvez você compreenda como um abraço, ou talvez como uma mentira. Tanto faz.