terça-feira, 20 de setembro de 2011


Um dia ele não me quis mais. Do nada decidiu que não me queria. Do nada decidiu que não daria certo. Do nada meteu o pé com toda a força na minha bunda. E doeu. Doeu tanto que chorei dias e noites. Doeu tanto que decidi tudo aquilo que a gente decide quando é rejeitada: nunca mais vou gostar de alguém, nunca mais vou errar de novo, nunca mais vou me entregar tanto, nunca mais vou ser tão sincera, nunca mais vou ser tão boba, nunca mais, nunca mais.

Clarissa Corrêa