quinta-feira, 23 de julho de 2015


“Vazei. Para os lados, para cima, para todos os lugares que se pode imaginar. Não caibo mais em mim. Todo meu eu transborda com as alegrias que me são impostas. Sou vazante e não paro de transbordar de mim mesmo. Sensações. Cheiros. Sentimentos. Tudo transborda, enchendo odres e mais odres de mim. Isso é sensacional. Vazo e ainda continuo cheio de mim.”

Anarquismos