segunda-feira, 5 de outubro de 2015


"Não a devia ter escutado... não se deve nunca escutar as flores. Basta olhá-las, aspirar o perfume. Ela me perfumava, me iluminava...
Não soube compreender coisa alguma! Devia tê-la julgado pelos atos, não pelas palavras."